O que é a Perspectiva Crítica?

A perspectiva crítica coloca em questão estruturas de poder, as influências ideológicas, as verdades estabelecidas e as tendências de controle dispostas na sociedade, buscando entender como o conhecimento, as instituições e as práticas culturais são construídas e mantidas, bem como quem se beneficia ou é prejudicado por tais estruturas.

Essa perspectiva se relaciona com as ciências sociais, com o marxismo e com outras formas de pensamento crítico que colocam em questão as ideias dominantes, revelando como as ideologias influenciam a produção e disseminação do conhecimento. Ao invés de aceitar passivamente as ideias estabelecidas, a perspectiva crítica problematiza os sistemas de pensamento e práticas sociais.

Na filosofia moderna, a noção de crítica é associada a Immanuel Kant, com o sentido de demarcar os limites do que se pode e do que não se pode conhecer, reconhecendo as possibilidades e os limites do conhecimento e da ação.  Na contemporaneidade, a perspectiva crítica se relaciona com Karl Marx e os pensadores da Escola de Frankfurt, analisando o capitalismo e suas consequências na sociedade e nos indivíduos.

A perspectiva crítica lança um olhar histórico e reflexivo para as teorias e práticas, entendendo que toda teoria é criada por seres humanos inseridos num contexto cultural, político e ideológico, com interesses específicos. Entendendo que não se separa a produção de conhecimento do contexto onde é produzido, busca entender as teorias a partir da realidade onde surgem as ideias, examinando sua constituição histórica e seu contexto sócio-cultural. 

Na atualidade, a perspectiva critica problematiza os conhecimentos e práticas, examinando como os interesses econômicos, as ideologias e as relações de poder influenciam teorias e práticas, desafiando as narrativas dominantes e questionando as estruturas de poder em favor de uma emancipação intelectual e social. Algumas de suas características são:

  • Estudo histórico e contextual: estudo das condições históricas, sociais, culturais, econômicas e políticas para a criação e manutenção das teorias e atuações práticas; 
  • Análise das relações de poder: investigação das formas como o poder é exercido e mantido, quem se beneficia e quem é prejudicado pelas relações de poder, e como elas configuram as experiências individuais e coletivas.
  • Problematização das narrativas dominantes: coloca em questão as ideias e as narrativas dominantes que mantêm o status quo, por meio de uma análise cuidadosa das estruturas de poder e das formas como elas configuram a percepção e o conhecimento.
  • Reconhecimento das estruturas e interrelação: reconhece a interseccionalidade das opressões e das identidades sociais, levando em conta as maneiras como diferentes formas de opressão, como o racismo, o sexismo, a homofobia e a opressão de classe, se intersectam e se sobrepõem, criando experiências de marginalização complexas e multifacetadas.
  • Relacionar teoria e prática: na perspectiva crítica, não se separa teoria e prática, como nas tendências tradicionais, entende-se que há uma tensão entre os saberes e a situação concreta onde e como nos encontramos.
  • Ênfase na emancipação e na transformação social: um dos intuitos centrais da perspectiva crítica é a emancipação intelectual e social, que envolve não apenas a crítica das estruturas de poder existentes, mas também o trabalho ativo para transformar essas estruturas.

Na psicologia, a perspectiva crítica analisa os processos psicológicos, as teorias e práticas terapêuticas por uma lente crítica e reflexiva, colocando em questão as suposições e pressupostos das teorias psicológicas, bem como as implicações éticas, sociais e políticas das práticas psicológicas, trabalhando para a construção de saberes e práticas mais éticos e socialmente responsáveis na psicologia.

A perspectiva crítica propõe uma avaliação reflexiva e crítica da sociedade e da cultura, revelando suas estruturas de poder, entendendo os problemas sociais e psíquicos como, na maioria, resultantes das estruturas sociais. Critica e contraria as tendências cartesianas e positivistas de conhecimento, relacionando saberes como a geografia, a história, a economia, a sociologia, a ciência política, a antropologia e a psicologia.

De modo geral, a perspectiva crítica oferece ferramentas para analisar os fundamentos históricos e ideológicos das teorias científicas, bem como seus impactos nas estruturas de poder. Seu objetivo não é apenas criticar, mas também propor alternativas construtivas e emancipatórias para os indivíduos e a sociedade como um todo.

Entre em contato

Envie uma mensagem para mais informações..